10 ago 2011
transjordania

Do norte ao sul, a Transjordânia divide-se em cinco partes. A mais setentrional dessas zonas, limitada a oeste pela cadeia do monte Hermon, é um vasto planalto que se estende do Jarmuk as imediações de Damasco, situada a nordeste. Imediatamente a norte do Jarmuk encontra-se uma região muito fértil, que o Antigo Testamento denomina a terra de Basan ou, mais simplesmente, Basan, ou seja, a “terra lisa”, portanto rica e sem pedras. Para além desta conotação geográfica, o termo “bashân” evoca boa alimentação, abundancia e força. Quando faz alusão aos inimigos que o assaltam de todos os lados, o salmista  [ Read More ]

Continue
9 ago 2011
Os Impérios vizinhos de Israel

Durante toda a época bíblica, a história do povo de Israel nunca deixou de ser influenciada pela presença de poderosos vizinhos, tanto a sul como a nordeste. Na sua fronteira meridional, ora aliado, ora hostil, o império Egípcio constituía um fator permanente de preocupações. Em nenhum lado o caráter imprevisível das relações com o Egito é mais bem ilustrado do que nos episódios contratados da instalação de José e do êxodo: em primeiro lugar, José, depois de ter sido vendido pelos irmãos, acaba por tomar-se uma das personagens mais importantes do país, onde a sua família é acolhida de braços  [ Read More ]

Continue
5 ago 2011
Composição e transmisão da Bíblia

A Bíblia, diz-se, é o menos lido de todos os Best-sellers. É o livro cujas traduções estão mais espalhadas pelo mundo, no maior número de línguas. A sua tiragem, sob o impulso das sociedades bíblicas, atingem uma média anual de 11 milhões de exemplares da versão integral, 12 milhões de novos testamentos, 400 milhões de brochuras contendo extratos do texto original. É verdade que estes números só podem ser obtidos graças aos modernos processos de impressão e de distribuição. No entanto, mesmo antes de a imprensa ter feito o seu aparecimento no ocidente no século XV, a difusão da Bíblia  [ Read More ]

Continue
27 jul 2011
O Negueb e o Sinai

O Simbolismo do deserto A exceção do episódio da saída do Egito, o período da vagueação no deserto é, incontestavelmente, aquele que de toda a história de Israel, mais marcou a imaginação dos autores da Bíblia. Não apenas este período é descrito no Êxodo, nos Números e no inicio do Deuteronômio, mas é objeto de múltiplas alusões em todo o Antigo Testamento. Para o salmista (Salmos 95, 8-9), a caminhada no deserto constituía uma advertência: Não torneis duros vossos corações como em Meriba, Como no dia de massa, no deserto, Quando os vossos pais Me provocaram, Me provocaram e puderam  [ Read More ]

Continue
25 jul 2011
Betel, Samaria, Carmelo e Jezrael

Geografia física. Estas diferentes regiões estão longe de constituir uma unidade geográfica. A montanha de Betel é o prolongamento da de Hebron. O vale de Jezrael liga-se a Galiléia. Quanto ao Carmelo, não é mais do que o esporão ocidental dos montes de Guilboa. Contudo, como estas regiões viriam a tornar-se a base territorial do reino do Norte, após o cisma que se seguiu à morte de Salomão, pareceu-nos mais lógico agrupá-las sob o mesmo titulo. Tal como já observamos a propósito da Galiléia. Israel nem sempre controlou o território situado a norte do vale de Jezrael. Em contrapartida, até  [ Read More ]

Continue
22 jul 2011

Os patriarcas: Abraão, Isaac e Jacó A história dos hebreus começa no Gênesis 12, 1-3, na altura em que Abraão recebe a ordem de deixar a sua terra natal para ir a terra que Deus lhe mostrar. O Gênesis 11, 31-32, precisa que a família de Abraão tinha deixado Ur, no Sul da Mesopotâmia (ou no Norte, segundo certos exegetas), a fim de instalar-se em Harran. Gênesis 12 descreve a longa viagem de Abraão e dos seus, de Harran ao Egito, com uma paragem em Siquém e em Betel, e depois o regresso a Betel (Gênesis 13, 3). A Cronologia  [ Read More ]

Continue
21 jul 2011
A vida quotidiana do novo testamento

Perto de 3000 anos decorreram desde a época do rei Davi e perto de 2000 desde a do Novo Testamento. Mas, ao passo que um grande número de documentos pictóricos nos permite reconstruir, nos seus mínimos por menores, a vida quotidiana no Egito dos faraós, não possuiu nenhum testemunho semelhante sobre o Israel bíblico. Admite-se, no entanto, desde há muito tempo, que o modo de vida dos antigos israelitas não devia ser muito diferente do que ainda hoje levam certas populações autóctones. Esta perenidade dos costumes nem por isso exclui as modificações resultantes das circunstâncias da história. Assim, o nomadismo  [ Read More ]

Continue
20 jul 2011
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Geografia física Os gráficos dividem a montanha da Judéia em três zonas distintas: as colunas de Hebron, que se estendem por 40 quilômetros, do Naal Bersabéia ao sul de Belém: a depressão de Jerusalém, que prolonga o relevo até uma dúzia de quilômetros a sul de Ramalá, e a montanha de Betel, que se desdobra até o uádi Sereda. O capitulo presente é essencialmente consagrado à descrição e à historia das colinas de Hebron e de Belém. Jerusalém e as colinas do norte constituirão o objeto de um estudo particular. As colinas de Hebron são rodeadas, a oeste, pelo vale  [ Read More ]

Continue
18 jul 2011
Uma viagem Histórica pela Terra Santa

Bar Am, uma Sinagoga Galiléia. Em Bar Am, na Alta Galiléia, podem-se ver as majestosas ruínas de uma sinagoga que teria sido construída pelo rabi Simeão Bar Yoqai, o famoso rabino agora sepultado em Meron. A fachada esta bastante bem conservada, e até é possível ver restos de um segundo andar. O edifício se orientava para Jerusalém, e tinha um pórtico com oito colunas, seis em frente e uma de cada lado. As três entradas eram profusamente decoradas, e a arquitrave da entrada principal era rematada por uma arcada com friso. Originalmente era decorado com duas estátuas de Nikê –  [ Read More ]

Continue
11 jul 2011

O rei Ciro da Pérsia entrou na Babilônia em 539 a.C. e, como parte de sua politica da tolerância com os povos conquistados promulgou o que é conhecido entre os historiadores como o Edito de Ciro em 538 a.C. isto permitiu que os judeus voltassem a Jerusalém e reconstruíssem o Templo. Sesbasar e Zorobabel lideraram o retorno, e calculou-se que voltaram da Babilônia cerca de 50.000 judeus, especialmente os pobres. Estes judeus nem sempre mantinham boas relações com os que não tinham sido deportados. Havia atritos também com os samaritanos, já que os judeus que tinham voltado não eram considerados  [ Read More ]

Continue