9 ago 2011
Os Impérios vizinhos de Israel

Durante toda a época bíblica, a história do povo de Israel nunca deixou de ser influenciada pela presença de poderosos vizinhos, tanto a sul como a nordeste. Na sua fronteira meridional, ora aliado, ora hostil, o império Egípcio constituía um fator permanente de preocupações. Em nenhum lado o caráter imprevisível das relações com o Egito é mais bem ilustrado do que nos episódios contratados da instalação de José e do êxodo: em primeiro lugar, José, depois de ter sido vendido pelos irmãos, acaba por tomar-se uma das personagens mais importantes do país, onde a sua família é acolhida de braços  [ Read More ]

Continue
3 ago 2011
colinas de Jerusalem

Geografia física Já tivemos ocasião de precisar que a região de Jerusalém forma uma espécie de baixa (depressão) entre a montanha de Hebron, a sul, e a de Betel, a norte: os seus cumes dominam-na de fato, a mais de 200 metros. Na sua parte setentrional, esta depressão ganha à forma de um planalto onde os israelitas instalaram um aeroporto. A maioria dos rios da região corre para oeste, em direção à planície costeira, na qual deságuam depois de terem escavado amplos vales através da Sefela. O mais notável desses vales é o de Aialon. Este sistema hidrográfico teve como  [ Read More ]

Continue
2 ago 2011
Lida

Geografia física Em hebraico, a palavra Shephéla significa “terras baixas”. Encontra-se com freqüência no Antigo Testamento. Em Josué 15, 20-63, este termo designa uma região que não é nem o “extremo sul” (negeb em hebraico, versículo 21), nem a “montanha” (harem hebraico, versículo 48). O texto apresenta uma lista de cidades da “Terra Baixa”, às quais juntas cidades habitualmente localizadas na “planície costeira” (versículos 45-47). É difícil definir com precisão os confrontos da Sefela. A Norte é limitada pelo vale de Aialon, uma fenda geológica que vai dar à planície de Lod. Na orla oriental, é rodeada por uma serie  [ Read More ]

Continue
27 jul 2011
O Negueb e o Sinai

O Simbolismo do deserto A exceção do episódio da saída do Egito, o período da vagueação no deserto é, incontestavelmente, aquele que de toda a história de Israel, mais marcou a imaginação dos autores da Bíblia. Não apenas este período é descrito no Êxodo, nos Números e no inicio do Deuteronômio, mas é objeto de múltiplas alusões em todo o Antigo Testamento. Para o salmista (Salmos 95, 8-9), a caminhada no deserto constituía uma advertência: Não torneis duros vossos corações como em Meriba, Como no dia de massa, no deserto, Quando os vossos pais Me provocaram, Me provocaram e puderam  [ Read More ]

Continue