9 ago 2011
Os Impérios vizinhos de Israel

Durante toda a época bíblica, a história do povo de Israel nunca deixou de ser influenciada pela presença de poderosos vizinhos, tanto a sul como a nordeste. Na sua fronteira meridional, ora aliado, ora hostil, o império Egípcio constituía um fator permanente de preocupações. Em nenhum lado o caráter imprevisível das relações com o Egito é mais bem ilustrado do que nos episódios contratados da instalação de José e do êxodo: em primeiro lugar, José, depois de ter sido vendido pelos irmãos, acaba por tomar-se uma das personagens mais importantes do país, onde a sua família é acolhida de braços  [ Read More ]

Continue
5 ago 2011
Composição e transmisão da Bíblia

A Bíblia, diz-se, é o menos lido de todos os Best-sellers. É o livro cujas traduções estão mais espalhadas pelo mundo, no maior número de línguas. A sua tiragem, sob o impulso das sociedades bíblicas, atingem uma média anual de 11 milhões de exemplares da versão integral, 12 milhões de novos testamentos, 400 milhões de brochuras contendo extratos do texto original. É verdade que estes números só podem ser obtidos graças aos modernos processos de impressão e de distribuição. No entanto, mesmo antes de a imprensa ter feito o seu aparecimento no ocidente no século XV, a difusão da Bíblia  [ Read More ]

Continue
1 ago 2011
geografia de israel nos tempos biblicos

O melhor meio para se representar o país da Bíblia é imaginar seis faixas justapostas orientadas de norte a sul. A primeira dessas faixas é constituída pela planície costeira. Esta começa 20 quilômetros a norte de Aco, onde a sua largura não ultrapassa 5 quilômetros, para atingir gradualmente 13 quilômetros por alturas da baía de Haifa. Aí é cortada pelo monte Carmelo, a sul do qual é retomada, com uma largura de 4 quilômetros, num comprimento de 30 quilômetros. A sul do Naal Tanimim, a planície costeira alarga-se de novo para atingir 20 quilômetros na intersecção do vale do Aialon,  [ Read More ]

Continue
1 jul 2011

Durante a invasão dos partos, o filho de Antípatro, Herodes, o Grande, fugiu para Roma. Ali foi nomeado rei da Judéia, e regressou para derrotar os invasores partos em 37 a.C. Herodes, conquistou Iduméia, Samaria e Galiléia com a ajuda do exercito romano. Depois avançou até Jerusalém e ao fim de um assédio de cinco meses tomou a cidade. A dinastia Asmonéia terminou com a execução de Antígono. Tecnicamente falando, Herodes podia ser considerado judeu; embora observasse de má vontade os costumes judeus e suas leis dietéticas, nunca foi aceito pela maioria judia da Judéia, a qual considerava acima de  [ Read More ]

Continue